Páginas

26 de ago de 2011


     Não sei o que mais hei de dizer ou se há ainda alguma coisa por dizer. Sei apenas que as palavras me parecem sempre "curtas" e parcas de significado para traduzir tudo o que sinto, tanto que sinto. Tantas vezes já falei-te de tão curtas que são as horas, por muito que se prolonguem, e de tanto que as queria ver estendidas num infinito de dias...que mesmo assim seriam sempre insuficientes para o Tudo que existe! 
     Acho que deveria inventar um relógio em que os ponteiros parassem nos momentos em que, indiscutivelmente felizes, juntas estamos e nos oferecemos, e que assim aprisionasse o tempo até à eternidade.
     Já contei-te também este apertado entrelaçar das almas e corpos unidos que sempre nos envolve numa macia abóboda de veludo, e quantas lágrimas o meu coração derrama a cada despedida, mesmo que momentânea.

20 de ago de 2011

Sonho

    Em frente ao espelho da cômoda do teu quarto, sentada num banquinho forrado a camurça carmim, penteavas os teus cabelos, num ritual que funcionava mesmo sem dares por isso...
... a escova passava ora uma, ora duas vezes, de cima para baixo e alisava os teus cabelos sedosos, cor de mel e de marfim... brilhavam no espelho e te revias momento a momento numa expectativa de mudança, o que não acontecia pois não podias ficar mais bela do que aquilo que já eras... a beleza em ti não residia nem morava ... era!...
... a tua camisa de noite, acetinada bege, de rendas sobre o peito alvo de seios firmes e redondos, deixava transparecer a cor da tua pele suave e doce ao olhar sem ser preciso tocar...
... a tua cama de lençóis de prata, aguardava o teu corpo numa ânsia lasciva de quem à noite, só, te espera num desespero de intocabilidade ... e tu, demoravas...
... da cômoda tiraste um frasquinho de perfume e te ungiste com ele o que provocou um agradável respirar a todos os móveis que te rodeavam ... e a tua cama, ansiava pela tua presença... e o teu corpo demorava a conceder-lhe esse desejo...